top of page
turntablefile_360-1.jpg

Dia Internacional da Reciclagem

17 de maio

Este dia foi instituído pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), com o objetivo de despertar na sociedade a necessidade de se refletir sobre as questões ambientais e o consumismo.

Desafio: Imaginar, em 77 palavras, vidas passadas em objetos do quotidiano.

1

Inês C.

Vivia no supermercado. Era a mais sedutora da minha prateleira, de azul-metálico vestida.

Um dia, uma senhora comprou-me para um lanchinho com os netos. Levou-me para casa e não demorei muito a ficar vazia.

Devorado o meu interior, fiquei esquecida no fundo do armário até ao dia em que a senhora perdeu o estojo de costura. Aí fui promovida e escolhida para o substituir.

Deixei de guardar bolachas de manteiga e passei a acondicionar agulhas e linhas.

2

Tomás F.

As primeiras lembranças como garrafa são numa enorme adega com as minhas irmãs.

Um dia, fui levada para um casarão com um magnífico jardim, onde todos os dias, ao entardecer, retiravam parte da minha essência. O dono da casa não passava sem um whisky diário.

Sempre julguei que seria depois descartada até alguém me ter dado esperança. Transformaram-me numa das mais belas bases de candeeiros. Continuo no casarão e agora ilumino o meu melhor amigo ao serão.

3

Margarida C.

Ali estava eu no cabide da loja toda vistosa. Foi paixão à primeira vista, comprou-me logo.

O rapaz ficava todo janota quando me vestia. Acho que também gostava de se ver e, garças a mim, conseguiu umas admiradoras. De tanto me usar, fiquei gasta. O tecido rasgou-se.

D. Carminho viu potencial em mim e deu-me uma nova função. Passei a pano de limpeza. Limpava tudo, porcelanas, móveis…

Perdi o estatuto de t-shirt de marca, mas continuo útil.

4

Carolina P., Madalena C. e Martim P.

Numa loja desportiva, os sapatos da moda estavam em promoção. Foram levados, embalados numa caixa, que ficou, durante alguns meses, abandonada no fundo da despensa.

Enquanto a arrumava, a mãe deparou-se com a caixa e resolveu usá-la para pôr um conjunto antiquado. No entanto, as chávenas partiram-se e a filha, que era muito criativa, fez dela um elegante candeeiro.

“Quem diria que passaria de uma simples caixa de sapatos para uma caixa luminária”, pensou o nosso leitor.  

5

Bernardo R.

Quando penso na minha vida, dá-me vontade de chorar.

Em tempos, fui uma magnífica porta de um palácio. Só luvas de seda tocavam nos meus puxadores.

Depois fui transformada num luxuoso piano. Que beleza e que desastre. Quando o meu dono tocava nas minhas teclas, tudo era perfeito. A parte má chegava na sua ausência.

A empregada de limpeza admirava o pianista. Tentava imitá-lo, mas era como se me cortasse as cordas e me partisse as teclas…

6

Leonor C, Madalena N. e Santiago S.

Era uma vez uma mísera caixa de cartão com uns fantásticos ténis dentro. Gasparzinho, depois de insistir com a mãe, convenceu-a a comprar-lhos.

A pobre caixinha pensou que o seu destino seria ser posta de lado, mas tal não aconteceu.

Em casa, foi recebida pelo gatinho da família, que logo lhe achou piada. Brincou com ela todo o serão. De tão cansado, adormeceu lá dentro.

Gasparzinho aconchegou-o com uma mantinha e, desde então, ganhou uma nova cama.

7

Martim F. e Tomás C.

Em tempos, fui um grande trator na fazenda do Tibério. Dava-lhe muita ajuda nos trabalhos agrícolas. Depois, fiquei velho e com ferrugem. Deixei de ter utilidade e acabei na sucata.

Mas, um dia, tive sorte. Um colecionador, com grande poder económico, levou-me para uma das suas fábricas e transformou-me por completo.

Tornei-me um trator muito veloz, de competição, um dos mais fortes e potentes do mundo. Passei a ter cinco motores e a participar em campeonatos importantes.

Reciclagem

dia-das-mulheres.jpg

Dia Internacional da Mulher

Desafio: Contar uma história divertida só com mulheres, em 77 palavras.

01

Leonor C., Madalena N. e Santiago S.

Num colégio interno de raparigas, em Beja, o caos reinava nos corredores. Todas perdiam a cabeça quando a filha estilosa da Diretora ia visitá-la. Chegavam a partir as unhas de gel por andarem aos arranhões e puxões de cabelos, mortinhas de inveja com a aparência daquela jovem. Queriam ser como ela.

Certo dia, pintaram o cabelo como o dela, mas ficaram carecas por causa dos químicos excessivos da tinta que usaram. Além do cabelo, perderam a autoestima.

02

Carolina P.

D. Maria Adelaide é uma cusca como tantas outras. Uma das suas comadres prediletas, D. Creusa, acompanhou-a a um funeral. Lá deram os sentimentos à família, mas, pouco depois, D. Creusa começou-se a rir. Quando D. Maria Adelaide descobriu o motivo, desatou à gargalhada. A defunta era conhecida por Maria Já Vai.

À saída da igreja, um grupo de velhas repreendeu-as pela pouca-vergonha, mas, assim que souberam da peripécia, também acharam piada e brincaram:

– Maria já foi!

03

Martim P.

Estava eu a brincar sozinha na praia quando, de repente, chegou uma rapariga. Começou a destruir as minhas construções de areia. Considerei aquilo o início de uma guerra. Rapidamente, elevamos os muros dos nossos castelos e preparámos as pistolas de água. Esguichos, bolas de areia molhada e até penas de gaivota, nada disto foi suficiente para me vencer. No horizonte, uma onda ameaçava destruir ambos os castelos. Para resistirmos, criámos uma aliança. Assim nasceu uma amizade inesperada.

04

Madalena C.

Em Cabeceiras de Basto, ao amanhecer, Mª Delfina, de 75 anos, preparava-se para a longa viagem até Almada. Levava doces e petiscos para festejar o aniversário com a filha.

Chegou tarde porque o autocarro avariou. Estava cansadíssima. Ao atravessar a passadeira para apanhar um táxi, foi atraiçoada pelos seus olhos camaleónicos. Não reparou numa mota elétrica a grande velocidade. O susto foi tal que lhe deu o fanico. Passou o aniversário no hospital, onde acabou por falecer.

05

Margarida C.

Dona Ivete é uma senhora que gosta muito de viajar. Até foi numa excursão com as amigas ao Museu do Tesouro Real. Pelo caminho, no autocarro, tirou da bolsinha um canivete e uma maçã. Soube-lhe bem o lanchinho.

À entrada do museu, enquanto os visitantes passavam pelo detetor de metais, foi apanhada. Tinha um canivete. As amigas fizeram-se desentendidas. Arregalaram os olhos espantados quando o detetor apitou e comentaram:

— Cuidado com Dona Canivete que ainda mata alguém!

06

Inês C. e Inês P.

Eis a história de duas comadres, Anastácia e Briolanja. Sempre se deram bem, mas desde que os filhos se separaram, agora mal se podem ver. E, quando se veem, só sabem trocar farpas, cada uma defende o seu filho.

— Pensas que a tua filha tem razão? A menopausa está mesmo a afetar-te, mulher!

— O pior ataque à minha família foi quando deixei o embusteiro do teu filho namorá-la.

Foi assim que duas comadres deixaram de se falar.

07

Martim F.

Maria adora hipismo. Em Miami, frequenta o centro equestre da mãe. Costuma montar a égua Sarah, a mais conhecida dos EUA. Juntas ganharam muitas competições. Tanto sucesso fez com que uma grande equipa contratasse Maria. Ela assinou um contrato milionário, mas teve de abandonar o centro da mãe e a égua Sarah. Passou momentos difíceis longe destes seres femininos tão queridos. Contou sempre com o apoio da mãe. A égua entretanto morreu. Maria continua ainda no topo.

08

Bernardo R., Tomás F. e Tomás C.

Num dia como tantos outros, com um sol radiante, aconteceu uma tragédia. Luísa da Graça morreu com um trovão na cabeça. Depois de uma vida de felicidade, viu repentinamente a morte. No dia do seu funeral, houve um clima de grande tristeza, mas Delfina das Desgraças teve finalmente sorte. Encontrou em cima do altar de Nossa Senhora uma Raspadinha 20X. Continha milhões de euros. Seria um sinal da Graça para a Desgraças? Ou seria mais uma maldição?

SUGESTÕES
DE LEITURA

grandes mulhers historia_edited.jpg
20 mulheres sec20.jpg
Mulheres destemidas.jpg
MAFALDA.jpg
Mulheres portuguesas.jpg
Revolucionárias.jpg

ADIVINHAS

Desafio: Escrever à maneira de…

 

Partindo do poema "Quem sou eu", de António Manuel Couto Viana, os alunos descreveram, em 77 palavras, plantas mediterrâneas que existem na Escola EB 2,3 D. João de Portel e na Cerca de São Paulo, jardim público de Portel.

Romãzeira.jpg
sobreiros.jpg
Medronheiro.jpg

Carolina P.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

O meu fruto, dizem, traz riqueza,

Ele é rei e com coroa,

Inúmeros bagos tem

De cor vermelha como a flor.

O percevejo é seu inimigo,

Maldito bicho que o pica!

A minha raiz é utilizada

Como desparasitante intestinal,

A ninguém faço mal!

O meu tronco acinzentado

Marcas de guerra apresenta

E novas vidas crescem nele.

A minha folha é reluzente,

O que me torna atraente...

Sim, senhor!

Eu sou a romãzeira!

Madalena C.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou de crescimento lento,

Mas tenho uma vida longa…

O tempo parece eterno para mim.

O meu tronco mete respeito,

De tão grande que é…

De nove em nove anos,

Arrancam-me a pele

Valiosa pelas suas funcionalidades.

No outono dou bolotas,

Mantenho-me compostinho o ano todo,

Com folhas verdinhas, persistentes.

Tenho flores como cachos de uvas,

Amarelinhas, vistosas,

Bonitas e cheirosas.

Sou uma riqueza do Alentejo…

Sim, senhor!

Eu sou o sobreiro!

Margarida C.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou bem servido de altura

Chegando a ter dez metros!

A minha copa arredondada

Por um tronco escamoso

É suportada.

Ando vestido o ano todo

Com folha persistente,

Mantendo um estilo coerente.

No outono deslumbro

Com flores em cachos,

Mas é o meu fruto que se destaca,

Saboroso, vermelhinho.

E ainda que pequenino pareça,

Pode ser medonho,

Causando dor de cabeça

A quem apreciar o medronho.

Sim, senhor!

Eu sou o medronheiro!

Umbigo.jpg
Alecrim.jpg
Carvalho.jpg

Bernardo R.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

As minhas folhas fazem lembrar

Uma parte do corpo que serviu

Um dia para te alimentar.

Gosto de tratar e de curar

E as tuas dores posso aliviar.

As frieiras garanto eliminar,

Assim como a tua pele cicatrizar

E a ciática revogar.

Sou fresco e saboroso,

Carnudo e fibroso.

O meu sabor faz lembrar

Uma alface fresca por cortar.

Adoro muros rochosos,

Escarpas, fendas húmidas,

Telhados.

Sim, senhor!

Eu sou o umbigo-de-vénus!

Andrea I.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou uma planta aromática,

Pelo meu intenso perfume conhecida.

Sou usada na culinária,

Sou poderosa em temperos.

Acentuo sabores

No peixe, carnes e molhos

Por isso os chefes

Me piscam os olhos,

Mas causo estragos

Quando mal doseada.

De verde-escuro me visto,

Com folhas finas espetadas.

E as minhas flores podem ter

Tonalidades variadas:

Branco, azul ou roxo

Que belas são elas

Tal como um pintarroxo.

Sim, senhor!

Eu sou o alecrim!

Madalena N.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou altíssimo e bem endireitado.

As gretas superficiais que carrego

Não me fazem menos robusto.

Entre abril e maio, é a minha floração:

Flores masculinas ficam penduradas,

Flores femininas guardam-se numa cúpula.

A bolota é o meu fruto.

Estou distribuído pelo país

E pelos portugueses sou amado.

Sou majestoso, sagrado.

Atraio raios e pregos sustos.

Sou adorado pelo grande Zeus

E divino sou em cada galho.

Sim, senhor!

Eu sou o carvalho!

Folhado.jpg

Martim P.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou comum em Portugal,

Mas venho do Mediterrâneo Ocidental.

Adoro o inverno,

É quando me destaco.

As minhas folhas são texturizadas,

De cor verde, imponentes.

Tenho também lindas flores eminentes.

Sou bonito, certamente.

Aproveitando a minha beleza fenomenal,

Sou bastante utilizado

Como planta ornamental.

Delicado, mas temperamental,

Sou alto e arranjado.

Quando bem cuidado,

Resisto a inúmeras condições.

Confesso: adoro bosques com sombras,

Mas sem assombrações.

Sim, senhor!

Eu sou o folhado!

Oliveira.jpg

Inês C.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

O meu fruto é conhecido por todos.

Várias utilidades ele tem,

Usamo-lo de vários modos,

Mas umas azeitoninhas à mesa

Sabem sempre bem!

Nasci no Período Terciário,

Já vou ficando velhinha,

Temporária, não sou de certeza,

Com a idade fico sempre gorduchinha.

Na Península Ibérica, é que sou forte,

Aí o líquido do meu fruto vale ouro.

Tenho um recheado passaporte,

Deviam considerar-me um grande tesouro…

Sim, senhor!

Eu sou a oliveira!

Gilbardeira.jpg

Santiago S.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

As minhas bagas são como sangue,

Parecem doces, mas são enganosas,

Cuidado, são venenosas!

Sou confundida muitas vezes

Com o rival azevinho,

Sem sermos sequer parentes…

As minhas folhas são na verdade

Caules verdes espalmados,

Donde surgem belas flores.

Na ponta, há agulhas afiadas e há dores.

Sou procurada para a decoração natalícia

Por isso passei a espécie protegida!

Chego a ter um metro de altura.

Sim, senhor!

Eu sou a gilbardeira!

Loendro.jpg
Loureiro.jpg
Lentisco.jpg

Inês P.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou um arbusto grande,

Posso medir até seis metros.

Sou abundante no Sul do país,

Onde todos ficam encantados

Com a minha exuberância.

Sou muito bonito.

Sou totalmente tóxico.

Belo e tóxico, afinal não há perfeição...

Anuncio a primavera

Com flores cor-de-rosa,

Brancas ou vermelhas.

Não sou muito exigente

Com o meu querido ambiente.

Pouca água é o suficiente,

Sou muito resistente.

Adoro sol e calor.

Sim, senhor!

Eu sou o loendro!

Tomás F.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou alto e cabeludo,

Com cabelo verde-amarelo,

Até dizem que é loiro

Por ser clarinho e belo.

Falo das minhas folhas,

Famosas na gastronomia,

Um condimento essencial

Que qualquer sabor amplia.

Também tenho outros encantos,

Chamam-se propriedades medicinais.

Resolvo problemas como os santos,

Digestivos, respiratórios, renais...

Além de tempero,

Posso ser servido em chá.

Sou símbolo da nobreza

E representava a vitória

Nos antigos Jogos Olímpicos.

Sim, senhor!

Eu sou o loureio!

Martim F.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou muito espontâneo,

Até cresço espontaneamente

Nas zonas do Mediterrâneo.

Adoro o sol.

Adoro o calor.

Adoro o vento.

Adoro o sal da maresia.

Tudo suporto sem sacrifícios.

Sou um elegante arbusto,

De copa arredondada,

Com discretos cachos de flores

A libertar perfumados odores.

Os meus frutos são pequenas bagas,

Que amadurecem e mudam de cor,

Passam de verde a vermelho,

Alcançando a cor da dor.

Sim, senhor!

Eu sou o lentisco!

Alecrim Branco.jpeg

Filipa R.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou uma planta muito cheirosa,

Na Antiguidade queimada como incenso.

O meu chá alivia o cansaço

E tira dores de cabeça.

Sou rica em vitaminas,

Até sirvo de antidepressivo

E ajudo na prevenção de doenças.

Dois metros posso ter,

Suportada por um caule lenhoso

E, às vezes, sou confundida

Com o rosmaninho vaidoso.

Confusão? Isso não!

Tenho flores azuis e esbranquiçadas

E pelas abelhas sou apreciada.

Sim, senhor!

Eu sou o alecrim!

Gilbardeira 2.jpg

Leonor C.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

As minhas pequenas bagas

São vermelhas e bonitas,

Até pareço um azevinho!

É no verão que elas surgem,

Mas só ganham cor no inverno.

Os meus espinhos são úteis

Para afastar os roedores.

As minhas raízes costumam ter

Aplicações medicinais.

As minhas flores são pequeníssimas

E, por isso, quase invisíveis.

Sou usada em decorações de Natal

Pelo contraste colorido que apresento,

Sendo por alguns considerada

Azevinho-menor.

Sim, senhor!

Eu sou a gilbardeira!

Sobreiro 2.jpg

Tomás C.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Sou uma árvore de folha perene,

Por isso, o meu cabelo é volumoso.

Uso um corte arredondado.

A minha pele chama-se cortiça,

Uma matéria-prima cara,

Com muitas utilidades.

Esse revestimento resistente

Protege-me do fogo e não esmoreço.

Quando me despem,

Um pimentão pareço

E fico mais sensível.

Se me descuidar, 

Logo uma praga vem atacar.

Em Portel o meu fruto

Tem direito a um museu inteiro.

Sim, senhor!

Eu sou o sobreiro!

Romazeira2.jpg

Isabel R.

Quem sou eu?

 

Sim, senhor!

Posso ser alta

E a água não me faz muita falta.

Sou uma planta ramosa

E também espinhosa.

Perco as folhas no inverno,

Recupero-as na primavera.

O meu fruto é vermelho,

Dele come-se o interior,

É símbolo do amor.

A sua casca é ideal

Num chá natural.

A época da colheita

Para ninguém é suspeita,

No final do verão

E início do inverno

Todos me encontrarão.

Sim, senhor!

Eu sou a romãzeira!

Cerca de S. Paulo │ Portel

cerca-s.-paulo2.jpg
Cerca 3.jpg
Cerca Portel.jpg
Cerca 4.jpg
Convite-com-foto-2-Natal-Papai-Noel.jpg

Desafio: Partindo de dois versos de dois autores diferentes, que foram o início e o fim dos textos, os alunos de 8.º ano construíram poemas de Natal em 77 palavras.

No final, foram indicados os autores dos versos originais e os títulos dos poemas de onde esses versos foram retirados.

Feliz Natal

Bernardo R.

Percorro o dia, que esmorece

Triste, nas ruas, ando só

Vejo luzes a brilhar

Num dia que não me tem nada a dar

As vozes alegres ecoam ao redor

Mas o vazio profundo é maior 

Os cânticos não me alcançam

Na noite é a solidão que avança

Busco calor em memórias distantes

Em memórias de tempos vibrantes

Da janela vejo os sorrisos

As gargalhadas são a música no ar

O que vejo é amor

Nos lares aconchegados

 

 

(Vitorino Nemésio, “Natal Chique” - Percorro o dia, que esmorece e Fernando Pessoa, “Natal” - Nos lares aconchegados)

Bruno R.

Outro Natal,

De comidas com sal.

Olha o Pai Natal

Que vem para este local.

 

Este copo de leite

Talvez ele aproveite.

Meti-me na cama

E acordei em drama.

 

Já a abrir os presentes,

Houve alguns insuficientes,

Deram-me meias

Ainda por cima feias.

 

Então e ao Martim?

O que lhe deram?

Uma bola de Berlim

Foi o que lhe trouxeram.

 

Esperava um grande Natal

Com prendas excelentes

E não acabaria no hospital

Se me dessem tais presentes.

 

 

(Miguel Torga, “Natal” - Outro Natal e Luísa Ducla Soares, “Ao menino Jesus” - Se me dessem tais presentes)

Fientje D.

NATAL

 

Hoje é dia de Natal

Um dia cheio de amor, paz e harmonia.

Um dia em que acordamos com alegria. 

Pai Natal, Pai Natal,

Espero que não te esqueças dos presentinhos,

Deixa-os na lareira, nos sapatinhos.

Que lindas são as prendas,

Que recebemos no Natal.

Em cima da árvore está a estrela a brilhar

E os anjos a cantar

Neste Natal cheio de carinho.

Lá fora, pela janela,

Vejo a neve

A cair, ao de leve.

 

 

(Luísa Ducla Soares, “Ao menino Jesus” - Hoje é dia de Natal e Miguel Torga, “Natal” - A cair, ao de leve)

Guilherme A.

Chove, é dia de Natal:

Carne ao lume a assar,

Presentes debaixo da árvore,

A família junta,

Os primos a brincar,

O tio a cozinhar,

A mesa decorada,

A árvore de Natal enfeitada,

O bolo-rei já preparado,

Os camarões, com os seus olhos esbugalhados,

para mim a olhar,

O Sozinho em Casa na televisão a dar,

As luzes na árvore a piscar,

Mas o mais importante aqui

não é a festa, é o calor e o

Amor.

 

 

(Fernando Pessoa, "Chove, é dia de Natal" - Chove, é dia de Natal e Maria Alzira Machado "Cartão de Natal" – Amor)

Inês C.

Outra comprida noite

Igual a todos os outros anos 

Todos à espera que chegue a meia-noite 

Aguardando que até lá o vinho não cause danos

 

A família toda reunida

Até os primos do estrangeiro 

Já vamos no sexto brinde à vida

De presente só queria um bocadinho de dinheiro 

 

Junto à lareira conversam as tias

Sempre com as suas conversas doentias

 

Já é meia-noite 

Tudo o resto é banal

É Natal outra vez

Uma festa sem igual

 

 

(Miguel Torga, “Natal” - Outra comprida noite e Patrícia Joyce, “Uma boa ação” - Uma festa sem igual)

Inês P.

Noite de Natal

 

Bonita só de ser imaginada

A noite a brilhar 

E o Natal a chegar 

Brilha, brilha

A luz no Natal

E o Pai Natal a chegar

E com ele aparecem as prendinhas 

Na árvore de Natal 

As crianças todas a pular

Os olhos delas a brilhar 

Com o Pai Natal a festejar 

E a contar as prendinhas por entregar 

As crianças a brincar 

E os pais a desejar:

- Eu queria ser Pai Natal!

 

 

(Miguel Torga, “Natal”- Bonita só de ser imaginada e Luísa Ducla Soares, “Eu queria ser Pai Natal” - Eu queria ser Pai Natal)

Leonor N.

Preparativos de Natal

 

Ó mãe, anda ver

Chegou o grande dia

Dia de bem viver

Hoje é só alegria

 

Hoje é dia de paz

Hoje é dia de Natal

Nada de energias más

Até recebi um postal

 

O bolo-rei está pronto

As fatias de ovo preparadas 

O arroz doce está no ponto

E as popias despedaçadas

 

Vou comer até me fartar 

Espero que não me faça mal

Será mesmo um belo jantar

Hoje é dia de Natal

 

 

(Alexandre Parafita, “Minha Mãe, uma estrela” - Ó mãe, anda ver e Luísa Ducla Soares, “Ao menino Jesus” - Hoje é dia de Natal)

Leonor S.

Espero ver-te outra vez, pai!

 

Será que é tão grande

A dor que carrego no peito

Ao perceber que não estás mais

Ao meu lado e que me deixaste?

Doeu ver-te ir embora

E doeu ver-te a deitar fora

Todos os momentos bons e

Maus que tive contigo.

Sempre serás especial e único.

Mais um Natal sem ti.

Nunca mais recebi

Um telefonema teu.

Nunca te esquecerei

E sempre te amarei.

É Natal, nunca estive tão só.

 

 

(Alexandre Parafita, " Minha Mãe, uma estrela" - Será que é tão grande e Eugénio de Andrade, "Último Poema"- "É Natal, nunca estive tão só")

Madalena H.

Ó mãe, anda ver.

A lua está cheia e está a chover.

Anda, mãe, vamos aproveitar esta noite e conviver.

Olha para o céu, está lindo,

Chegou o Natal.

Está a chover e está frio,

Mas não no meu coração.

As memórias felizes eu relembro.

Já nem penso no contrário.

As memórias más ficam no passado.

Hoje temos que aproveitar este dia especial.

O passado já lá vai

E já foi ultrapassado.

Chove. É dia de Natal.

 

 

(Alexandre Parafita, “Minha Mãe, uma estrela” - Ó mãe, anda ver e Fernando Pessoa, “Chove. É dia de Natal” - Chove. É dia de Natal)

Maria S.

No céu a brilhar, 

Estão três estrelas de encantar. 

Eu sem querer pedi um desejo 

E nem pensei que se ia realizar. 

Desejei que o amor no Natal 

Nunca acabasse.

 

Nesse Natal,

Em que pedi um desejo,

Tive o melhor Natal 

Que alguma vez imaginei. 

Foi um dia de muita 

Alegria e partilha com

A família, não imaginava 

Algo assim.

 

Não faltou nada naquela mesa,

Bolos, bacalhau e mais 

Algumas coisas.

Foi um dia 

De muito

AMOR!

 

 

(Alexandre Parafita, “Minha Mãe, uma estrela” - No céu a brilhar  e Maria Alzira Machado, “Cartão de Natal” - AMOR)

Marta F.

O Natal

 

Chove. É dia de Natal.

A chuva forte cai

Sobre as janelas.

Olho para fora

Com olhos de curiosa.

Vejo que é Natal

Pela grande árvore lá fora.

Olho e vejo

Grandes famílias

Dentro do seu lar.

Saio de casa.

O vento bate nos meus claros cabelos

Enquanto olho para as grandes famílias.

O sentimento de solidão

Entrou no coração.

Lembrei-me do meu grande lar

Que nunca chegará.

Mas, para mim, agora

Chega o Natal!...

 

 

(Fernando Pessoa, “Chove. É dia de Natal” - Chove. É dia de Natal e Clara Abreu, “Dezembro” - Chega o Natal)

Martim F.

Em a noite de Natal

As crianças cantavam,

Os sinos tocavam,

Que dia especial!

Dia de alegria,

De muita confusão e gritaria,

Muita emoção

E paixão.

Dia de compaixão

E humildade…

É dia de sermos gulosos

Com tanta comida maravilhosa.

Mas os doces tornam-se perigosos

E a minha barriguinha orgulhosa.

A minha fome perde a timidez

À frente dos meus familiares.

De vez em quando é manhosa

E torna-se conhecida de todos

Assim que

Chega o Natal!...

 

 

(Mário de Sá-Carneiro, “A Noite de Natal” - Em a noite de Natal e Clara Abreu, “Dezembro” - Chega o Natal)

Martim P.

Há quantos dias e noites

Espero por este dia 

Uma casa cheia de amor 

Uma casa cheia de magia 

 

As estrelas estão a brilhar

Enquanto lá fora está a nevar 

A mesa está decorada

E no topo da árvore há

Uma linda estrela dourada

 

Não tarda  ele está a vir

Com sorrisos para distribuir

De quem falo não sei

Não o vi, mas tentei

 

Este ano escrevo-lhe um postal

E quando abro os olhos

Chega o Natal!...

 

 

(Patrícia Joyce, "Uma boa ação" - Há quantos dias e noites e Clara Abreu, "Dezembro" - Chega o Natal)

Matilde C.

Ninguém o viu nascer…

Sem olhos para ver, sem toque, 

Viram os teus milagres acontecer 

Salvaste vidas, salvaste amores 

Depois de dias morto, ressuscitaste 

 

Nos teus milagres encontro paz 

Nas tuas avessas encontro graça 

Meu Jesus,

Quero passar o meu tempo, o meu dia contigo 

 

Assim terei paz 

Não terei dor,

Só o teu esplêndido e gracioso amor 

Deus, ó meu Deus, estou apaixonada

Por esses olhos teus, de cristal ou de ouro 

No céu a brilhar 

 

 

(Miguel Torga, “Natal” - Ninguém o viu nascer e Alexandre Parafita “Minha mãe, uma estrela” - No céu a brilhar)

Rafael C.

O Natal divertido

 

Ó mãe, anda ver 

A neve está a cair

Sabes o que quer dizer?

O Natal está para vir

 

Olha,

As crianças lá fora a brincar 

Os bonecos de neve a pular 

A alegria sempre a aumentar

E sorrisos no rosto a festejar

 

Finalmente chegou

O friozinho tão bom 

Um chá quentinho vou beber

Para me aquecer

 

Ao ver tanta gente a brincar

Vontade tenho de andar

No teu trenó, Pai Natal,

Pela neve…

 

 

(Maria Alzira Machado, "Minha Mãe, uma estrela" - Ó mãe, anda ver e Miguel Torga, "Natal" - Pela neve)

Sara S.

Em a noite de Natal

Há prendas para os meninos.

Aqueles que as recebem

São muito pequeninos.

 

Ficam de manhã a comer,

Bolachas na cama deitados

Até o Pai Natal aparecer

De braços muito cansados.

 

Há meninos preguiçosos

Sem vontade de acordar

Quando recebem chocolates

Ganham força para despertar.

 

Decoram a árvore de Natal

Com luzes muito brilhantes

A neve cai no quintal 

Ouço vozes apaixonantes

 

Muito molhado e

Muito atrapalhado,

Está o Pai Natal

No telhado.

 

(Mário de Sá-Carneiro, “A noite de Natal” - Em a noite de Natal e Miguel Torga, “Natal” - No telhado)

Tomás L.

Chove. É dia de Natal.

Neva sem parar,

Fico feliz só de olhar.

Hoje é dia de Natal

E comemos sem parar.

São exageros de Natal,

Com cantigas para rir.

Hoje é o grande dia

Com todos a cantar.

Mas quando chega a hora,

Fico nervoso a pensar

No que poderei ganhar.

Chegou a hora de rezar,

De agradecer e dar.

Vou lá fora caminhar.

Quem eu vi a passar?

Nem vão acreditar,

Vi os Magos galopar…

 

 

(Fernando Pessoa, “Chove. É dia de Natal” - Chove. É dia de Natal e Miguel Torga, “Natal divino” - Vi os Magos galopar

Tomás F.

O Natal

 

Minha alma vã desaparece

Mas quando o Natal aparece

Minha alma volta a brilhar 

Para o poder apreciar

 

Eu adoro o Natal

Com as luzes a piscar

E as árvores a radiar

Tudo brilha como um cristal

 

No Natal fica tudo branquinho

E debaixo da árvore ponho

O meu simples presentinho

Que será para alguém um sonho

 

Mas com esta celebração 

Em período de tanta guerra

Permanece a animação 

Alegrem-se os céus e a terra!

 

 

(Vitorino Nemésio, “Natal chique” - Minha alma vã desaparece e Alice Vieira, “Os três reis” - alegrem-se os céus e a terra)

Ana V.

Chove. É dia de Natal

As ruas ficam escuras,

sombrias e frias.

Há muita comida 

e família reunida.

 

Há crianças ansiosas

e adultos a empatar,

uns embriagados

e outros  vestidos de Pai Natal.

Há muita diversão,

é uma noite mágica.

 

As crianças ficam com sono,

os adultos continuam de pé,

e o meu avô a dormir no sofá. 

 

Os meus primos gritam

e a minha avó manda-os calar.

 

Finalmente,

todos vão dormir.

Vejo a neve

no telhado.

 

(Fernando Pessoa, “Chove. É dia de Natal” - Chove. É dia de Natal e Miguel Torga, “Natal” - No telhado)

David M.

Um belo dia de Natal

 

Hoje é dia de Natal

Hoje é dia de felicidade

Hoje é dia de animação 

Independentemente da idade

 

Chegou a hora do jantar

A avó preparou a comida

O bacalhau eu vou provar

Acompanhado de uma bela bebida

 

Estou muito, muito ansioso

Para os meus presentes abrir

O que será que vou receber

Para me fazer sorrir

 

Aqui dentro há festa

Lá fora um frio desgraçado

Com neve a cair

No telhado

 

 

(Luísa Ducla Soares, “Ao menino Jesus”- Hoje é dia de Natal e Miguel Torga, “Natal”- No telhado)

Eduardo R.

Querido Natal

 

 

Outra comprida noite.

Para os bem comportados,

O Pai Natal significa aventura. 

Para os malcomportados,

Não traz grande fartura.

 

Olá tio, olá tia,

Ignoro a minha prima,

O meu tio é o preferido,

Dá-me dinheiro, é um querido.

 

A festa acontece à mesa,

Embora a comida seja sempre a mesma,

Mas sendo feita pela mãe,

Tem sempre um sabor especial.

As crianças brincam com os presentes

E os adultos dizem

“Cada um por sua vez”.

 

 

(Miguel Torga, "Natal" - Outra comprida noite e Alice Vieira, "Os três reis" – Cada um por sua vez)

Érica P.

Música leve do meu sonho

 

Música leve

É emoção na festa de Natal  

Aquela que se ouve

É uma paixão normal

 

As luzes coloridas a brilhar

Sempre a piscar, a piscar

Com tudo a iluminar 

e toda a família a cantar 

 

Todos com muito frio 

E eu com um grande vazio 

A minha família está a brincar 

E eu sempre a escutar 

 

As prendas para descobrir 

Uma música eu componho 

Isto tudo faz-me rir

Do meu sonho

 

 

(Clara Abreu, “Dezembro” - Música leve e Maria Alzira Machado, “Cartão de Natal”- Do meu sonho)

Leonor C.

Noite de Neve

 

Em a noite de Natal,

Pedia que nevasse, 

Nesta noite tão especial,

Pedia um bom desenlace.

 

Também pedia agasalhos e abrigo 

Para os que na rua, com tanto frio, vivem

Eles precisam de auxílio, de um amigo 

Para que de um feliz Natal desfrutem 

 

Pedia bonecos de neve e boa comida

Um bom filme para assistir 

E memórias com vida

 

É preciso paz e famílias completas 

E muito amor para

Fazer a gente contente! 

 

 

(Mário de Sá-Carneiro, "A Noite de Natal" - Em a noite de Natal e Luísa Ducla Soares, "Eu queria ser Pai Natal" - Fazer a gente contente)

Madalena N.

Natal sem ti

 

 

É Natal, nunca estive tão só

Pela janela oiço a neve a cair

Mas não oiço a tua voz

 

À lareira me encontro

Comendo o que me apetece

Lembrar-me de ti

O meu coração aquece

 

Em volta da árvore de Natal

Todos estão animados

Ganham o que desejaram

Só eu não tive o meu desejo realizado

 

Onde estará ele agora?

O anjo, que um dia tive, foi-se

Passarei sem ele novamente

Outra comprida noite

 

 

 

(Eugénio de Andrade, “Último Poema” - É Natal, nunca estive tão só

e Miguel Torga, “Natal” - Outra comprida noite)

Martim C.

Há quantos dias e noites

Esperava este momento

Com noites a brilhar

E nas ruas muito sentimento

 

No Natal o presente mais valioso

É estar com quem mais gostamos 

Se houver amor e carinho

Todos felizes estamos

 

A família está contente e reunida 

À mesa com muita comida 

Saboreando o peru assado

E o arroz doce tão desejado

 

Manta para lá, pantufas para cá 

Não aguento tanto frio

Se não mudar de peúgas

fico gelado dos pés

 

 

(Patrícia Joyce, “Uma boa ação”- Há quantos dias e noites e Fernando Pessoa, “Chove. É dia de Natal” - Fico gelado dos pés)

Martim G.

Outro Natal

Mais uma longa noite

Com a família sempre a falar

 

Bacalhau com natas na travessa 

Peru assado no forno

Espumante nos copos

Todos ficam bem-dispostos

 

Embriagados, a cantar modas,

Estão os tios divertidos

Na sala as tias dançam

À lareira outras falam

Da vida de toda a gente

 

Os bebés choram 

Os primos brincam

E todos gritam

 

É assim o meu Natal

É assim que nos divertimos

Este é um ritual

Uma festa sem igual

 

 

(Miguel Torga, “Natal” - Outro Natal

e Patrícia Joyce, “Uma boa ação” - Uma festa sem igual)

Matilde F.

Espírito natalino

 

 

Chove no Natal presente

Na minha infância assim foi sempre,

A minha idade aumentou,

Mas o meu espírito não abalou.

 

Gosto do Natal,

Gosto do bom jantar,

Gosto do Pai Natal,

Gosto de abrir prendas.

 

Chove e não para

O espírito de Natal 

Faz-me sorrir e

Um sorriso vale mais 

Que 1000 palavras.

 

Mas será o Natal um milagre?

Pois é o que me parece 

Já dizia o Miguel Torga

“Cúmplice do milagre, que acontece”.

 

 

(Fernando Pessoa, “Chove. É dia de Natal” - Chove no Natal presente e Miguel Torga, “Natal” - Cúmplice do milagre, que acontece)

Miguel S.

O Natal

 

 

Hoje é dia de Natal

E há um frio natural

Aguardo o nosso jantar

Já cheira a comida no ar

 

Hoje é o grande dia

De estar com a família

É dia de magia

Alegria, paz e harmonia

 

Vou engordar uns quilinhos 

Quero ver o meu avozinho

A avó prepara um banquete

E faz sempre um brilharete

 

Estão todos de olhos no ar

Mas não esperam ninguém 

Só eu aqui espero alguém

Para me chamar

 

 

(Luísa Ducla de Soares, “Ao Menino Jesus” - Hoje é dia de Natal e Alexandre Parafita, “Minha Mãe, uma Estrela” - Para me chamar)

Naíma R.

Mais um Natal Tradicional

 

Christmas… Natividad… Noël… NATAL

Finalmente chegou o Natal

Três dias de grande alegria.

 

Junto da família

Bailar, comer e cantar.

Um tio e a sua sobrinha

Com alegria a bailar.

 

Familiares desconhecidos

Junto a mim a cantar

E também a bater os talheres.

 

A alegria contagiante desta festa

Lembranças boas me trará.

Os elogios perante a minha vestimenta

Que há meses pensara.

 

No futuro me lembrarei

Que esta foi

Uma festa sem igual.

 

 

(Adolfo Simões Müller, “A Palavra Mais Bela” - Christmas… Natividad… Noël… NATAL e Patrícia Joyce, “Uma Boa Ação” - Uma festa sem igual)

Rodrigo P.

Hoje é dia de Natal

Um dia que todos os anos

É para relembrar 

Porque estarei

Com quem mais gosto de ficar

 

O Natal é na casa dos avós

Aqueles que se esforçam todos os anos

Para juntar a família

E com aquela comida

Que todos nós amamos

 

Nesse dia, todos juntos à meia-noite

Celebramos o nascimento de Jesus

Aquele que por nós tanto se sacrificou

Aquele que fez esta festa acontecer

É a festa de Jesus

 

 

(Luísa Ducla Soares, ´´Ao menino Jesus`` - Hoje é dia de Natal e Patrícia Joyce, ´´Uma boa ação``- É a festa de Jesus)

Samuel R.

Geada de Natal

 

 

Hoje é dia de Natal

A escola terminou 

E começa um momento sensacional

 

O frio de Natal

É de gelar corações 

Só ao pé da salamandra 

Aquecem as emoções 

 

Estar à mesa com a família 

É estar em paz com alegria

Às vezes a felicidade

Parece que amplia

 

Depois do jantar

Toda a gente começa a falar 

Na hora de abrir os presentes 

Vêm muitos e diferentes 

Vamos sair em breve

Espalhando a neve

 

 

(Luísa Ducla Soares, “Ao menino Jesus” – Hoje é dia de Natal e Clara Abreu, “Dezembro” – Espalhando a neve)

Santiago S.

Reunião de Natal

 

 

Os caminhos onde um dia

Estivemos longe de estar juntos

Não esqueço a melodia

De dia preparamos os doces

De noite fazemos umas doidices

Não há melhor para mim

Do que fazer os pudins

A lasanha da tia é a melhor

Não há coisa pior

Que o bacalhau

As árvores de Natal

A iluminação

A sua cor

A decoração é fenomenal

Agora tenho de ir

Porque se continuo a escrever

Fico gelado dos pés

 

 

(Miguel Torga, “Natal Divino” - Os caminhos onde um dia e Fernando Pessoa, “Chove. É dia de Natal” - Fico gelado dos pés)

Tomás C.

Uma Noite de Natal

 

 

Dezembro entrou

O Natal chegou,

Ruas cheias de neblina

Com neve a acompanhar.

 

Um frio de rachar,

Com luzes a piscar

E presentes para alegrar.

 

Há música de Natal para encantar

Um belo jantar para engordar

E pessoas a dançar.

 

Uma chama na lareira,

Toda a gente com coração quente 

E umas mantas para ajudar.

 

Cartas de Natal a brilhar,

Um bolo-rei para acabar.

 

Não há tristeza porque

Hoje é dia de Natal.

 

 

(Clara Abreu, “Dezembro” - Dezembro entrou

e Luísa Ducla Soares, “Ao menino Jesus” - Hoje é dia de Natal)

Alice C.

Natal

 

Outro Natal,

Na companhia

Das melhores pessoas.

O Natal traz emoção,

Não é por acaso

A melhor época do ano.

Ver as luzes de Natal

É ter uma sensação divina

Na noite mais esperada,

Com os adultos na cozinha

E as crianças a brincar na sala.

Batem os sinos,

As avós chegam da Missa do Galo.

Começamos a abrir os presentes,

Há sorrisos na cara

De tanta felicidade.

Natal,

A palavra mais bela e sem igual.

 

(Miguel Torga, “Natal”- Outro Natal e Adolfo Simões Müller, “A palavra mais bela” - A palavra mais bela e sem igual)

Andrea I.

Noite Feliz 

 

Há quantos dias e noites

Esta data desejávamos.

Noite inesquecível de Natal

Com comida saborosa posta à mesa.

 

As luzes a piscarem à volta da árvore,

Os presentes por abrir,

As músicas a tocar

E nós a cantar.

Um momento que acontece anualmente, 

Mas que fica na nossa mente.

 

O relógio toca…

É meia-noite!

Os presentes brilham

E fazem brilhar 

O olhar dos mais novos.

É incrível como este dia consegue

Fazer a gente contente!

 

(Patrícia Joyce, “Uma boa ação” - Há quantos dias e noites e Luísa Ducla Soares, “Eu queria ser Pai Natal” - Fazer a gente contente)

Carolina P.

Um Natal sem igual

 

Há quantos dias e noites

esperei ansiosa por esta data,

é uma festa sem limites,

mas é uma festa à velha guarda.

 

Os familiares mais distantes,

todos os anos se reúnem,

as prendas mais importantes

embrulham-se como um ritual.

 

A árvore está arranjada

e há uma mesa bem decorada.

Será que a minha prenda é igual?

 

A ceia é sempre bem recheada

com bacalhau e bolos de encantar.

Bonita só de ser imaginada.

 

 

(Patrícia Joyce “Uma boa ação”- Há quantos dias e noites e Miguel Torga “Natal”- Bonita só de ser imaginada)

Filipa R.

Um Natal mágico 

 

Hoje é dia de Natal

E eu já escrevi

A minha carta ao Pai Natal. 

 

Entro na sala e vejo

Os presentes debaixo da 

Árvore de Natal e

As luzes estão a piscar e

As ruas muito bem decoradas.   

 

Todos desejam

Feliz Natal! Feliz Natal!

O Natal é mágico

Onde existe paz.

 

A família está reunida,

com muita brincadeira

e alegria contagiante

Que maravilha

Só de pensar que daqui a pouco…

Chega o Natal!

 

 

(Luísa Ducla Soares, “Ao menino Jesus” - Hoje é dia de Natal e Clara Abreu “Dezembro” - Chega o Natal)

Gonçalo N.

Um sonho tornado realidade

 

Vai de menino em menino

O Pai Natal no seu trenó

Com o Rodolfo a cantar 

 

Vai de casa em casa

Entregando os presentes 

Uns felizes e uns contentes 

E  outros nem por isso 

Mas no seu coração

O Pai Natal os guarda  

 

Um menino muito feliz 

Que andava descontente 

À espera do momento 

Da chegada de uma mana 

Quando veio no Natal

O menino chorou e pensou 

“Bonita só de ser imaginada”

(Patrícia Joyce, “Uma boa ação” - Vai de menino em menino e Miguel Torga, “Natal” - Bonita só de ser imaginada)

Isabel R.

Um desejo de Natal 

 

Eu queria ser Pai Natal 

Fazer a felicidade total 

Entregar presentes 

 

Fazer gente sorridente

No meu trenó a voar 

Com as renas a flutuar 

 

As luzes a brilhar 

Presentes para partilhar 

Milagres a acontecer

As pessoas alegres a ver

 

Festas e banquetes 

E muitos diabretes 

Desço pelas chaminés

Vejo doces em forma de pé 

 

Muitas árvores de Natal

Bonecos de neve no quintal

E se eu fosse Pai Natal…

Uma festa sem igual 

 

 

(Luísa Ducla Soares, “Eu Queria ser Pai Natal” - Eu Queria ser Pai Natal  e Patrícia Joyce, “Uma boa ação” - Uma festa sem igual)

Joaquim C.

NATAL

 

Chove. É dia de Natal

Tapo com fita-cola 

O buraquinho que fiz no presente

Para a mãe não se aborrecer

Visto roupa de Natal

Espero o resto da família chegar

Falamos enquanto o peru acaba de assar

Acabamos de comer

Divertimo-nos

Vamo-nos deitar

Porque a ansiedade é de matar

Uma noite mal passada

Para os presentes agarrar

Ao acordar 

Vou rasgar

Os embrulhos das prendas

Que ao lixo vão parar

E assim se passa 

Outro Natal

 

 

(Fernando Pessoa, “Chove. É dia de Natal” - Chove. É dia de Natal e Miguel Torga, “Natal”- Outro Natal)

Madalena C.

Natal em casa 

 

Em a noite de Natal

rabanadas e peru comerei

e doces maravilhosos 

degustarei

 

À noite prendas abrirei 

sorrisos receberei 

até o gato aprecia o Natal

e recebe comida especial

 

No dia vinte e cinco

paz entrará nas  casas

manterei o pijama o dia todo 

não farei rigorosamente nada

 

Em casa só eu gosto do Natal

é  época potente

com música clássica no ar 

a dar um toque de magia para

fazer a gente contente

 

 

(Mário de Sá-Carneiro, “A Noite de Natal” - Em a noite de Natal e Luísa Ducla Soares, “Eu queria ser Pai Natal” - Fazer a gente contente)

Margarida C.

Divino

 

E pela estrela guiados

mostrando o caminho

para o divino

no céu a brilhar

pelos três é admirada

num trilho que vai 

ter a Belém.

Na manjedoura

está um menino,

é Jesus.

Ouro, mirra e incenso

de cada mago um tesourinho.

São três os reis amigos:

Baltasar, Belchior e Gaspar

O menino nascera,

os anjos anunciaram

a sua grande chegada.

Naquela gruta há

um milagre.

Em honra do seu esforço

todos louvam

o dom dessa estrela.

 

 

(Alice Vieira, "Os três reis" - E pela estrela guiados e Alexandre Parafita, "Minha mãe, uma estrela" - O dom dessa estrela)

Mariana C.

Os reis de longe trazem 

Alegria, sentimentos e paz.

Viva! Nasceu o menino.

Devagarinho, chega o Natal!

Vamos enfeitar a casa,

Com luzinhas brilhantes.

Na chaminé, metemos as meias

E na árvore chocolates.

Bons pratos há na mesa,

No Natal, na minha casa, é só alegria.

Visto pijamas quentinhos e fofinhos.

Vou-me deitar ansiosa,

Para no dia seguinte

Os presentes abrir.

Que curiosidade,

Que alegria,

Que emoção…

O que será?

Seja o que for

É com 

Amor!

 

 

(Luísa Ducla Soares, “Ao menino Jesus” - Os reis de longe trazem e Maria Alzira Machado, ”Cartão de natal” - Amor)

Miguel F.

O meu Natal

 

Outro Natal,

Mais uma noite fria,

mas uma noite que não é normal.

 

Enquanto chovia,

um chocolate eu comi,

a casa estava quentinha,

cada presente na sua caixinha,

desde o último Natal eu cresci.

 

A minha família reunida,

com todos a saborear,

e a felicidade não é escondida,

pois queriam-se encontrar.

 

A árvore de Natal,

com uma estrela a brilhar,

não é um eucalipto ou sobreiro

mas um pinheiro,

hoje é dia de Natal.

 

 

(Miguel Torga, "Natal" - Outro Natal e Luísa Ducla Soares, "Ao menino Jesus" - Hoje é dia de Natal)

Ricardo G.

É Natal 

 

Dezembro entrou

E com ele trouxe a esperança 

De um Natal feliz 

Em paz e harmonia.

Um Natal feliz

É passado com 

A família. 

A festa é feita

Por todos na sala 

Com uma música

leve de Natal

Que anda pelo ar. 

Há calor dentro das casas. 

A árvore está a piscar 

Com luzes de 

Cor em cor

Há chocolates pendurados 

E o presépio  por baixo.

O Natal é feito para

Fazer a gente contente!

 

 

(Clara Abreu, “Dezembro” – Dezembro entrou e Luísa Ducla Soares, “Eu queria ser Pai Natal” – Fazer a gente contente)

Tomás C.

Dia de Natal

 

Natal divino ao rés do chão humano,

Muitas pessoas felizes

E outras chorando

Umas confortáveis em casa

E outras numa guerra armada.

Pessoas morrendo

Num ataque fatal,

Enquanto outras esquecidas

Saboreiam o jantar de Natal.

Há milhares de pessoas

Lutando em guerra

Enquanto seus líderes

Estão encolhidos à lareira.

Mais um Natal

Que vai passar,

Com pessoas a guerrear.

Mas hoje é um dia

Para quem quer

Alegrar-se,

Porque

Hoje é dia de Natal.

 

 

(Miguel Torga, "Natal Divino" - Natal divino ao rés do chão humano e Luísa Ducla Soares, "Ao menino Jesus" - Hoje é dia de Natal)

Vasco S.

Milagre de Natal

 

É um menino e é Deus.

É um menino e um milagre

em que todos acreditam,

mesmo não o tendo visto nascer. 

Por isso celebramos o Natal,

para nos lembrarmos

desta maravilha,

com a nossa família.

Os filhos a brincar e a correr

todos animados.

Todos os Natais as crianças pulam,

riem e ouvem músicas.

E fica a pergunta:

- Vocês gostam mesmo do Natal?

- Sim! Porque nasceu o menino.

Respondem os pequenitos.

 

 

(Miguel Torga, “Natal” - É um menino e é Deus e Mário de Sá-Carneiro, “A Noite de Natal” - Respondem os pequenitos.)

Vicente R.

Fiz-lhe um desenho 

Para o animar

Nesta noite de família

Felicidade não podia faltar

 

Com chuva forte

E um frio de morrer

Neste Natal

Nada nos vai entristecer

 

Noite de felicidade

Na sala de jantar há festa

Com tanta confusão

Ainda vamos à floresta

 

Para o Pai Natal

Uma coisa é certa

Não abrimos a porta 

Mas a chaminé está aberta

 

O Pai Natal vai

A todos os distritos 

E a todas as crianças 

Costuma dar-lhes bonitos 

 

 

(Maria Alzira Machado, "Cartão de Natal" - Fiz-lhe um desenho e Mário de Sá-Carneiro, "A noite de Natal" - Costuma dar-lhes bonitos)

NATAL SUGESTÕES DE LEITURA 

Parallel Lines
1540-1.jpg
Um conto de natal.jpg
PN Quem és tu.jpg
Dezembro à porta.jpg
Parallel Lines
Historias-de-Natal.jpg
Contos-De-Natal-De-Hans-Christian-Andersen-Livre-en-VO.jpg
Natal do Avarento.jpg
NATAL NI.jpg
Parallel Lines
Hotel extravagancia NATAL.jpg
Feliz-Natal-Lobo-Mau (1).jpg
o-grande-livro-dos-contos-de-natalBI39299.jpg
2_historias_natal.jpg

Uma dedicatória para alguém...

Matilde C. e Rafael C.

Gostava de te dizer que tenho muitas saudades tuas. Queria ter passado mais tempo contigo, mas partiste muito cedo. Tinha sete anos apenas. Sofri bastante. Fico pensativo quando me lembro do dinheiro que me davas para ir comprar gomas à loja da tia Mariana ou quando me contavas histórias sobre os antepassados da nossa família. Sempre serás eterno no meu coração, mas, infelizmente, não foste na minha vida. Amo-te tanto, avô, como as flores amam os jardins.

Martim F. e Tomás F.

Aprecio a tua singularidade. Nesta escola, és a luz ao fundo do túnel. És engraçada, adorável, paciente e trabalhadora. És tão especial como a rosa vermelha e perfumada do meu jardim. Quando falo contigo, dás-me atenção e conselhos para a vida, para crescer como pessoa civilizada e honesta. Adoro-te e espero que também gostes de mim, que estejas sempre ao meu lado neste caminho até ao secundário. Obrigado por tudo. Serei sempre grato pelo que me ensinaste.

Bernardo R. e Inês P.

Com um ar arrogante e cabelo arrepiante, quando se olha para ti, confunde-se a tua cara com um enxame. Desde que te conheço, continuas sempre igual. A uma mente como a tua, ninguém liga nenhuma. Queres estar sempre em primeiro lugar, mas em primeiro nunca acabas. Falas mal de todos e quando falam mal de ti, não gostas. Os teus ouvidos estão em permanente alerta, parecem o quartel dos bombeiros. Quando nasceste, o teu cérebro derreteu. Desaparece!

Inês C. e Guilherme A.

Deve pensar que sou empregada dele. Eu trabalho como uma condenada e ele sentado na poltrona a ver a bola. Passa o dia na tasca do Zé, sempre com a mesma conversa, que só quer mais uma cerveja. Gasta a reforma toda em álcool, depois queixa-se que, no fim do mês, não temos água quente. Já não aguento mais, mas agora é tarde demais para o divórcio. A sorte é que ele não deve durar muito tempo.

Fientje D. e Leonor N.

O teu estilo, a tua personalidade e o teu olhar chamam-me a atenção. Sinto conforto nos teus abraços, sinto proteção nas tuas carícias. Falar contigo é a melhor parte do meu dia. Ver-te sorrir traz-me alegria. Finalmente, posso dizer que encontrei a pessoa que quero ter a meu lado para o resto da vida. Tu és o meu Brufen. Tiras-me a dor e fazes-me sentir viva. Amo-te com todo o meu coração. Um dia, serei tua esposa.

Madalena N. e Tomás C.

Meu querido amigo, agradecia que tu ouvisses o meu aviso. Essas maluquices já estão a passar dos limites. A minha paciência já se está a esgotar. Não tenho cabeça para aguentar os teus risos mirabolantes, as tuas piadas doidas, os gritos constantes. Mete juízo nessa cabeça. Acho que devias ter um pouco mais de calma. És boa pessoa e podias ser melhor se fosses um pouco mais meigo. Desejo-te tudo de bom, mas tenta relaxar, por favor!

Naíma R. e Rodrigo P.

Eu adoro o quanto tu me irritas. Quando entraste na minha vida, devias ter ido logo embora. Aguento a tua voz extremamente irritante há anos. Odeio ver esse teu lindo cabelo à esfregona todos os dias. És igual a um Villager do Minecraft com o teu glorioso e grande (enorme) nariz. Existem muitas pessoas convencidas no mundo, mas eu acho (tenho a certeza) que tu ganhas a todas elas. Espero que fiques bem. Bem longe de mim.

Carolina P. e Madalena C.

O senhor corajoso está sempre pronto para ajudar. Longas viagens fizemos juntos. É meu avô e vou amá-lo para sempre. Cuidou de mim desde pequenina. Muitas traquinices fizemos juntos. Desde brincar às Barbies a ver o nosso clube preferido a jogar. Íamos para o campo apanhar batatas para o puré confecionar. Tantos bolos que fizemos e tantos que deixámos queimar. Tantas vezes que fomos ao parque e no baloiço me empurrou. É o melhor avô do mundo.

Andrea I.  e Filipa R.

És uma amiga muito especial. Somos amigas há muito tempo. Tu tens o talento de fazer rir as pessoas. Também és divertida e simpática. Para mim, és como uma irmã, mas de outra mãe. Às vezes, és um pouco chatinha e falas demais. Mesmo assim, gosto muito de ti, por seres sincera. És boa atleta, por vezes, competitiva. Aconteça o que acontecer quero que saibas que estarei sempre a teu lado. Obrigada por seres uma boa amiga.
bottom of page